Sideboard - I
05/01/2018 10:00 / 4,065 visualizações / 11 comentários

 

Sideboard costuma ser um assunto frequente entre os jogadores, saber como essa parte dos nossos decks funciona é uma vantagem estratégica e mesmo em um mundo onde o side in e side out seja amplamente divulgado, conhecer a teoria por trás ainda é muito bom.

 

Com isso em mente, toda semana, esse mês, teremos esse espaço para teorizar o side e discutir suas implicações no competitivo, até mesmo como ajuda para quem está se preparando para a Grande Final do Circuito Ligamagic, dias 3 e 4 de Fevereiro, em São Paulo. Mais do que saber quais cards colocar e quais cards tirar, é importante saber o porquê.

-

 

As Regras Abrangentes do Magic definem Sideboard como "Um conjunto de cards adicionais que o jogador pode usar para modificar seu deck entre os jogos de uma partida".

 

Essa definição é curta, mas traduz a importância do Sideboard. "Modificar o deck" pode significar muita coisa, desde apenas trocas uma ou duas cartas, até uma transformação completa. 

 

Primeiro, por que mudar o baralho após o primeiro jogo?

 

Vencer ou perder o primeiro game não é um critério para escolher se vai usar o side ou não, a ideia de "em time que está ganhando não se mexe" com certeza não é aplicado ao Magic. Após o primeiro jogo, seu oponente irá mudar o baralho dele e já basta essa razão para você mudar o seu, fora isso, é sempre possível tornar melhor o seu jogo. Já que, seu baralho não costuma ter 60 cartas pensadas em ganhar uma única match, então é possível deixar algo mais eficiente, por exemplo, trocar Golpe Ardente por Derrota de Chandra contra um Mono Red, temos uma remoção bem melhor, mas que serve apenas em determinada match. 

 

 

Essa é a nossa primeira lição sobre Sideboard, tornar eficiente. Ter cards nas 15 que façam melhor, algo que nós já fazemos, é algo muito válido, e as pessoas subestimam isso. Quanto menor a pool de cartas, mais interessante é essa tática, no Standard, por exemplo, essa pequena melhora de power level é providencial para desequilibrar uma partida.

 

Outro dois jeitos de ver alguns cards do side, o primeiro é tirar aquela carta completamente inútil na match, vulgo, se livrar do lixo, Empurrao Fatal​ é ruim se o seu oponente não tem criaturas pequenas, substituí-lo por outras cartas é de vital importância para que você evite draws mortos e perca por isso. Ainda no exemplo do Golpe Ardente​ e da Derrota de Chandra​, é preferível colocar a Derrota no lugar de um card morto na match, do que no lugar do Golpe. Essa "prioridade" para o card "ruim" é importante para que nosso baralho faça o plano adequado.

 

Outro tipo de card é o "silver bullet", a famosa bomba na match. Derrota de Chandra é forte versus Mono Red? Sim. Mas Kor Firewalker​ é um pesadelo ambulante. Esse tipo de abordagem é muito comum no Modern, onde você tem acesso à cards de Power Level alto o suficiente para vencerem sozinhos e, pela natureza do formato, acabam sendo as melhores respostas possíveis. Mas mesmo no Standard é possível essa abordagem, Repreensao do Rio​ é uma senhora carta no mirror de midranges de energia, você podia só usar algo mais eficiente, como uma remoção pontual, mas não, resolveu usar uma carta que tem potencial de vencer o jogo sozinha. 

 

A vantagem da silver bullet é que ela acaba com uma match, e não precisa ser algo tão óbvio quanto Kor Firewalker​, quanto mais jogamos, mais fácil de identificar aquela carta que tem o poder necessário para furar o plano do oponente. A desvantagem dessa estratégia é que ela é direcionada demais, e o side tem apenas 15 slots, se o meta não é conhecido, essa estratégia não é muito boa.

 

Então já vimos que: vamos sidear sempre, e o objetivo é ter cartas nais eficientes, se livrar do que é ruim e também podemos ter a opção de usar cards silver bullets. Esses filtros teóricos "tirar o inútil, substituir por algo melhor e colocar a silver bullet" são importantes para irmos construindo uma maneira de pensar o sideboard e assim montar o nosso side e não seguir o que alguém montou pensando nos próprios filtros.

 

-

 

Esse foi só o começo, semana que vem, e nas seguintes, vamos aprofundar mais, principlamente na questão do plano de jogo, que considero fundamental. 

 

Até mais!

 

Ruda

 

 


Rudá Andrade dos Reis (VIP STAFF Ruda)
Aficionado por decks azuis agressivos, mas que não dispensa um bom Siege Rhino nas horas vagas, está no Magic desde 2003, em Flagelo. Em 2012 começou escrever sobre Magic e não parou mais, sendo que em 2015 se tornou Editor da Ligamagic.
Redes Sociais: Facebook, Twitter
LigaMagic App

ARTIGOS RELACIONADOS

Existe Harmonia no T2 com Éter?

A dominância da mecânica de Energia pode levar a um ban?


Largando o Pet Deck

Se livrando da barreira do baralho de estimação.


Na Vida do Grind: Saindo da Zona de Conforto

A difícil hora de mudar.


Temos que falar sobre Mulligan

Tocando na ferida.


Sideboard Series: O Todo acima da parte

Olhando as 75 do baralho.

MTG Cards



Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

MBorean (09/01/2018 08:54:51)

Há variações da mesma funcionalidade.. alvo único: Roar of Challenge e Revenge of the Hunted (especialmente se usar o custo de milagre). Atropelar: Stampeding Elk Herd, Stampede (custo menor, mas efeito menor também), Decimator of the Provinces (pesado mas em um late game pode fazer a diferença).
Agora se problema é o campo realmente cheio esse cara pode ajudar muito: Liege of the Tangle.
Boa sorte no mesão, jogo aqui no trampo também.

Kryzalyd (09/01/2018 03:08:04)

vlw... no momento estou com esse exato problema, amigo meu do mesão montou um monoW humans com foco em lotar o campo, e embora ainda não tenha chegado, já estou pensando nos possíveis problemas que terei contra ele. Alguma outra carta que lida com isso, além das duas? Abraço!

MBorean (08/01/2018 07:34:36)

Tenho um mono G também focado nas criaturas, para mim funcionou da seguinte forma. 4 cards para proteção de decks com fly (uma vez que o meu não tem), + 4 para artefatos, + 4 para decks que jogam com cemiterio e por fim cards que permitam eu dar uma pancada forte e livre de bloqueio para decks que trabalham com fichas e vc apesar de criaturas grandes, dificilmente consegue um ataque matador, então Overwhelming Stampede e Shinen of Life's Roar são uma boa para mim. Não digo que seja o melhor mas no meu caso encaxou direitinho.

Kryzalyd (07/01/2018 22:46:22)

Excelente post! Tenho um pequeno problema em relação ao sideboard de um MonoG Stompy, uma vez que o deck é praticamente criaturas e pumps... O que trocar pelas remoções de encantamentos/artefatos, por exemplo.

ysoeiroBR (07/01/2018 19:59:33)

Ótimo post!

JeffCard (07/01/2018 14:09:44)

Ótima idéia!

Lucas_Pinheiro (07/01/2018 06:00:43)

Um assunto bem discutido e com razão. Ótimo texto, ansioso pelos próximos :)

marCosxDark (06/01/2018 22:01:20)

Muito bom! Aguardo os próximos.

Rubens420 (06/01/2018 21:27:28)

ótimo artigo,fora os erros de ortografia....
#stillhere

CHARLESSEGUNDO (05/01/2018 23:46:18)

Show de bola o artigo.

Esmirilhador (05/01/2018 11:10:50)

Com certeza sideboard é algo além de uns cards extras. Muito bacana, ansioso pelos próximos artigos