Torre de Comando MTGLGBT
01/12/2017 16:00 / 4,747 visualizações / 72 comentários
 
TORRE DE COMANDO MTGLGBT
Jogo, Cultura e Comunidade
 
Organização: Magic: the Gathering LGBT
Apoio: Hasbro Brasil e Ludus Luderia
 
Saudações WebWalkers!
Este fim de semana (domingo dia 03) acontecerá um evento inédito para a comunidade do MTG, o TORRE DE COMANDO MTGLGBT, com Draft, Rodas de Debate e MUITOS brindes!!! E eu estou aqui para explicar um pouco mais a ideia por trás disso, e como tudo começou.
 
Primeiramente:

O evento é apenas para pessoas LGBT+?

Nope! :D
 
Ele carrega esse nome e essa bandeira, pois foi graças às ações de comunidade que o MTG-LGBT vem fazendo há quase 3 anos, que pudermos ter repertório e referência a ponto da própria WOTC apoiar o projeto fornecendo materiais, funcionário e divulgação, e da Ludus Luderia amar a ideia e querer sediar o evento. Portanto mais que justo e merecido o título carregar e promover o grupo, bem como as questões que discutem.
 
E de onde veio essa ideia?
 
Do trabalho com o MTG-LGBT!
 
Trazendo um contexto para vocês: em 26 de junho de 2015 foi legalizado nos EUA o casamento igualitário em todo o país. A maravilhosa Wizards of the Coast foi uma das empresas que celebrou a decisão em seus perfis sociais, e isso foi o estopim para que um dia depois, em 27 de junho de 2015, um pequeno número pessoas se conhecesse nas comunidades de MTG do Facebook e decidisse criar um grupo focado ao acolhimento de jogadores e jogadoras LGBT+, nascendo assim o Magic: The Gathering LGBT. Esse é um grupo de acolhimento e conscientização, e estas missões foram e são o combustível para criarmos e promovermos ações ligando Magic, diversão, festa, inclusão e debate.

E uma vez que nossa representatividade foi crescendo, cada vez mais queríamos realizar coisas incríveis, até que esse ano eu surgi com (e desenvolvi) o projeto do Torre de Comando.
 
Quando começou?

Em julho de 2017.
 
Neste mês de julho eu procurei a Hasbro, e propus uma reunião para apresentar o projeto. Então desde julho ele foi sendo desenvolvido e lapidado, tornando-se um modelo inédito mundialmente, onde a comunidade propôs e criou algo para a própria comunidade.
 
Mas afinal, o que é o evento?

O Gathering!
 
Sabe aquelas mil questões que são discutidas em posts no Facebook, lojas em que jogamos, mesa de bar entre jogadores e jogadoras, etc? Então, agora teremos a oportunidade de falar DIRETAMENTE, e CARA A CARA com as pessoas representando a empresa. Além de um ambiente totalmente novo e em relação ao MTG, Draft de Ixalan incluso na entrada, Commander casual, e muito sorteio de brindes!!!! Ou seja: uma reunião da comunidade em geral, levantando questões que instigam essa comunidade e se reunindo do melhor jeito que gostamos, jogando!
 
E quanto custa?

R$ 10,00!!!!
 
SSSSIIIMMM! Somente DEZ REAIS para participar de tudo isso. Alguma vez você já imaginou ter a chance de jogar Booster Draft por apenas 10 conto?!!?! Além de acesso às Rodas de Debate e concorrer aos brindes?! (Somente a consumação é a parte).
 
Então, quer participar desse momento?
 
Venha para a Ludus Luderia, São Paulo – SP, no dia 03 de dezembro a partir das 16h. Caso você não possa e/ou não esteja na região, acompanhe online, teremos muita transmissão ao vivo ;)
 
Na página do evento você encontra as informações completas, endereço, programação e fotos dos materiais, mas para finalizar dando um gostinho aqui, olhem só algumas das coisas que sortearemos como por ex, o playmat oficial do evento e alguns brindes:
 

C:UsersusuarioDesktopFelipemtglgbtTorre de Comando MTGLGBTcompactada.jpg

 

C:UsersusuarioDesktopFelipemtglgbtTorre de Comando MTGLGBTmktTorre de Comando�1.jpg

 

 

A chance está aí, cabe a cada um aproveitar!
Contamos com o seu apoio, e nos vemos dia 03.
Também deixo aqui o acesso ao nosso grupo do Face ;)
 
Até! :D
Felipe Bracco,
Também conhecido como: Atarka.
TAGS: 

Felipe Bracco (VIP STAFF Bracco)
Viciado e apaixonado pela mana vermelho, adorador de Goblins, viajante das teorias, curioso e observador! Buscando sempre expandir os limites da minha própria escrita e do que pode ser escrito.
Jogo Magic desde 2000, e hoje estou mergulhado inteiro na comunidade. Sou inclusive administrador do MTG LGBT, grupo de Magic no Facebook visando acolhimento e promoção de eventos relacionados.
Se quiser saber mais sobre, entre em contato!!!
Redes Sociais: Facebook
LigaMagic App

ARTIGOS RELACIONADOS

Guia para o Pré-Release

As horas chegaram!


A Batalha do Deserto!

Um Guia para o Pré-Release de Amonkhet!


Contos Coexistentes - Kaya

Capítulo II


Contos Coexistentes

A História de Maeli.


Diversidade do Magic: The Gathering

A História de Anastácia. Uma Juíza de nível 3.

MTG Cards



Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

Knoxux (11/12/2017 01:12:14)

A idéia não é ruim mas te dou certeza que existe mais preconceito, dentro do MTG, com jogadores novatos, de Yu-Gi-oh e etc do que pela preferência sexual do jogador... Do meu ponto de vista pode acabar criando mais segregação do que ajudando em si mas boa sorte.

sac_cb (10/12/2017 23:33:27)

Parabéns pelo evento, pessoal!

E só pra constar: a Wizards está fortemente comprometida em favorecer esse tipo de vento, bem como outras ações de:
- inclusão real;
- combate ao preconceito e à exclusão no ambiente do jogo.

Um bom momento para você, que gostaria de continuar fazendo tudo errado como sempre fez, partir para Yugioh ou Hearthstone...

Abraços!

BrunoF23 (10/12/2017 12:50:09)

👎🏻

VIP STAFF Bracco (08/12/2017 10:56:26)

:*

<3

gabrielcgc (06/12/2017 23:17:15)

"vish"=Expressão de espanto.
"lá vem os caras"= Separou "os caras" em um grupo específico, os gays não são "seus caras".
"com os deck's da Vera Verão"=Inferiu que só porque a pessoa é LGBT, jogaria com um deck de um cara que parece também é careca e negro, como vera verão.

Seu comentário não é, sob hipótese alguma, ofensivo ou violento. É só digno de um rolleyes... Desculpa

gabrielcgc (06/12/2017 23:04:47)

Mas a população lgbt já está isolada socialmente. A maioria dos gays que conheço tem mais amigos gays, São Paulo tem bairros gays, ruas gays, baladas gays, bares gays... O mesmo vale para qualquer lugar do mundo. Infelizmente, o isolamento não é auto-imposto, mas uma fuga para que tenha-se uma certa liberdade em ser o que é. Como você pode ver, essa é uma questão que INFELIZMENTE extrapola o magic. O preconceito não é fomentado pelo isolamento e sim consequência dele.
De novo gente, não é uma questão de homofobia violenta ou vitimismo(risos) esse fenômeno, a criação de grupos, é fruto de falta de identificação de um público espefícico com outro. Tanto que existem muitos LGBT que não se identificam com esse grupo homogêneo e se sentem mais confortáveis em outro. Ou gente que não joga commander que não se mistura com quem joga commander.
A validade desse tipo de evento é: melhor que alguém continue jogando magic dentro de um grupo específico e aos poucos vá permeando outros do que se sinta isolado e pare de jogar completamente. Isso meio que aconteceu comigo. Na minha cidade o grupo que frequentava a loja em que eu ia não tinha as mesmas afinidades que eu, que não tem NADA, absolutamente NADA, a ver como sexualidade e eu fui parando de jogar. Me senti muito mais bem acolhido e parte da comunidade nas 6 horas em que estive no evento do que em sei lá quantos campeonatos de modern eu participei em 2015~16.
Obrigado pelo tom educado. Eu gostaria de dizer que não estou dizendo que você está errado, estou só apresentando um outro ponto de vista sobre o mesmo assunto.

VIP OURO [sm]_Frejat (06/12/2017 22:56:28)

Acredito que você não esteja avaliando o ambiente do jogo kra, magic é jogado majoritariamente por homens, o meio social no qual ele está inserido é machista, e é esse ambiente que as pessoas que não se enquadram nesse perfil devem enfrentar, isso não é fácil de se fazer, pare e pense em quantas meninas você conhece que jogam magic, não conheço alguém que não aceite jogar com meninas, mas não devem compor nem 10% dos jogadores que frequentam a loja que você frequenta.

Ninguém aqui vai levantar bandeira e dizer que não aceita gays na loja que frequentam, mas é bem provável que a maioria daqui façam piadas ou comentários preconceituosos nos torneios ou nos jogos na loja, são posturas que estão arraigadas na gente, formas de agir que muitas vezes nem percebemos que fazemos, são essas posturas que devem ser discutidas, por isso o evento é tão válido e importante.

A responsabilidade pela inclusão de um público que não é majoritário também é do majoritário, não é simplesmente dizer que as coisas vão mudar por conta das pessoas aparecerem na loja, romper com o preconceito requer uma boa dose de autoconhecimento, de autocrítica, de empatia pelo próximo, por isso uma medida que vise discutir e atrair um público alvo é tão válida.

Lucouto (06/12/2017 18:15:26)

Atarka, parabéns pelo ótimo evento que realizou! Com certeza foi um sucesso e todo o seu trabalho transpareceu na Torre do Comando!
Sinto que foi um grande passo para que a comunidade melhore cada dia mais!
Além de me divertir jogando foi ótimo falar e escutar diversos pontos de vista.
Que venham os próximos.

HiddenWolf (06/12/2017 15:26:13)

Olha, eu não participei do evento (até porque só fiquei sabendo agora), mas eu andei discutindo esse tipo de assunto recentemente e minha opinião é que esse tipo de abordagem mais afasta e fragmenta do que integra, pois ao invés de focar no que todos tem em comum (o maravilhoso jogo que todos amamos), estamos focando nas diferenças.

Isso é algo complicado, pois se torna um convite especialmente focado em um grupo em particular. Tem suas vantagens? Tem sim, pois essas pessoas inicialmente vão se sentir mais acolhidas por estar jogando com outros jogadores com experiências semelhantes, mas ao mesmo tempo, cria um isolamento social daquele grupo com o restante da comunidade, pois "pra que eu iria me misturar com o resto do povo se já tenho um grupo que me acolheu e é mais similar a mim"? Que pra mim é justamente um tipo de comportamento que fomenta o preconceito.

Na minha experiência, não é comum no MtG (aqui no país e nas lojas que frequentei e jogo) esse tipo de preconceito, mas sim, esse tipo de coisa ocorre as vezes. Assim como ocorre preconceito com jogadores novatos EM GERAL (coisa que eu vi inúmeras vezes e pra mim é um problema muito mais sério, dentro do contexto de Magic em si), ou a exclusão social que algumas lojas promovem com pessoas que não fazem parte "da comunidade" ou daquele círculo social. Céus, isso acontece mesmo dentro do jogo! Pode vir até por conta do deck que você pilota ou do formato que você joga ("mas Commander nem é Magic de verdade", alguém?).

Embora eu parabenize a organização por ter feito do evento um sucesso e acredite que ações assim tem seus méritos, eu ainda sou mais a favor de todos jogarem Magic juntos como humanos e não como X ou Y, pois acho que o que temos em comum é um laço mais forte e positivo para nos unirmos. Eu sei que o evento era aberto para o público em geral e não apenas para o LGBT, mas pra mim, só de haver esse tipo de distinção, já mancha o propósito maior. Pra mim, quanto mais membros LGBT e de quaisquer minorias vermos jogando nos FNM da vida (junto com os demais, em eventos tradicionais de Magic), mais aceitos eles vão se tornar aceitos e mais os outros verão que não tem nada demais.

Ah, como vi algo nos comentários falando a respeito, achei bom acrescentar: havendo respeito, acho que devemos aceitar que as pessoas jogam por diferentes razões. Então pra mim é completamente razoável tanto indivíduos que jogam Magic para fazer parte de uma comunidade e considerar o aspecto social algo importante quanto indivíduos que focam no jogo e gostam de pouca interação com os outros jogadores.

Assim como alguém disse que é perigoso tomar sua experiência e visão como verdade absoluta (deixando claro que estou colocando apenas minha opinião e observações afim de tentar contribuir com a discussão, que é completamente válida), é perigoso generalizar que Magic é pra ser um jogo majoritariamente social quando pra algumas pessoas não passa de um jogo de cartas que no máximo, é social até onde duas pessoas sentadas colocando cartas sobre a mesa diz ser.

Rubens420 (06/12/2017 15:09:22)

jocoso onde colega ?
não conhece o famoso ''Vera Verão'' ? (Teferi)
TODA A COMUNIDADE MAGIC QUE EU TENHO CONHECIMENTO chama esse planeswalker assim.....

Rubens420 (06/12/2017 15:07:53)

difícil né cara, humor não têm espaço mais !

Leonhart (06/12/2017 14:54:42)

O pior é que não vivemos em uma bolha mas sim fora dela e estamos tentando tirar pessoas com pensamento fechado como esses de dentro dela! O preconceito começa dentro de cada um, muitas vezes dentro do próprio homossexual que não se encaixa em certos grupos por sofrer preconceito, isso é muitas vezes um estado psicológico, com quando você vai fazer alguma coisa estúpida em público e te dizem estar todo mundo olhando mas na verdade não tem ninguém. Ao invés de criar um grupo para tais pessoas, por que não lutar para que os preconceituosos sejam mais tolerantes ou se afastem de vez, haja visto que a comunidade Nerd/Geek é uma das mais tolerantes para com qualquer pessoa "Diferente" e intolerante para com pessoas Preconceituosas. Quando este conceito próprio acabar, o preconceito acabará!

Leonhart (06/12/2017 14:47:24)

Concordo com os exemplos citados, porém, o fato de se excluírem é única e exclusivamente parte do jogador, a final, como você mesmo disse: -Apesar de um ou outra pessoa não se importarem, de maneira geral, as pessoas tendem a se agrupar com seus afins.

Ou não se importa, pois SUA vida vale mais para você do que a opnião dos outros, ou agrupe-se com seus afins, pois até na comunidade LGBT existe discórdia, preconceito e etc, somos todos humanos e somos dotados de erros cabe a nós não se importar com o erro dos outros ou procurar o melhor para nós!

Leonhart (06/12/2017 14:42:36)

Mano, eu quis dizer que num grupo de magic niguém olha o que você é ou deixa de ser, não é importante para ninguém o que você faz da sua vida a não ser para você, por que eu iria querer durante uma partida ou em um evento saber sobre sua vida? Para explicar melhor, imagina que estamos eu e você em uma loja Geek assistindo a outros 2 players jogarem, nós não nos conhecemos mas estamos compartilhando por meio de dialogo nossos conhecimentos sobre o jogo e o que faríamos caso estivessemos na pele deles (até aí, criamos um vínculo de amizade que se resume ao jogo), daí eu começo a perguntar da sua vida, querer saber sobre sua família, sentamos para jogar e eu continuo a fazer perguntas sobre você.

Neste cenário, não seria estranho eu estar invadindo a tua privacidade com tantas perguntas? Ou seja, não interessa o que você faz da sua vida, se a partir de uma partida, criarmos amizade ao ponto de descobrirmos um da vida do outro, teremos o mínimo de respeito ao ponto de jamais julgar caso você haja de maneira avessa à minha. Foi isso que eu quis dizer quando falei sobre mal olhar na cara de um jogador quando em partida.

VIP STAFF Bracco (05/12/2017 22:17:25)

Bom pelo menos você jogou o Draft <3
e foi super acolhido pelo pessoal. maravilhoso :D

seja sempre bem vindo nos nossos eventos

gabrielcgc (05/12/2017 19:38:52)

Haha, joguei no draft das 19. Era a senha 19, o 18, 20 e 21 ganharam prêmio e eu fiquei de mãos abanando =(((, hahaha

gabrielcgc (05/12/2017 19:31:55)

Pois é, também não sei qual é esse deck de vera verão. Nem sempre o desconforto causado vem de um xingamento ou ação direta, são umas coisinhas que vão somando e tornam um ambiente desconfortável. Algumas pessoas relevam isso, outras nem tanto, mas de maneira geral, muitos gays se sentem afastados de grupos em função disso. Entra aí a também a questão de quer apesar de a sexualidade não definir ninguém, faz parte da personalidade e acaba por influenciar, de maneira geral gostos e afinidades. Aí as vezes a pessoa as vezes está até em um ambiente amigável pra caralho, como você citou o caso de seu amigo gay, mas não se sente parte daquele grupo por dividir com ele interesses gerais que tornam a convivência mais agradável. Pense em um cara que curte metal norueguês tentando se enturmar em um grupo de funkeiros. Ou um tiozão de 50 anos com 5 filhas jogando magic em um grupo de adolescentes de 17. Apesar de um ou outra pessoa não se importarem, de maneira geral, as pessoas tendem a se agrupar com seus afins.

beijuca (05/12/2017 18:18:55)

Demais a iniciativa!
Parabéns pra gurizada que tá organizando.

AllanCs (05/12/2017 14:50:26)

Quem tá falando que no MTG é só jogador contra jogador está se esquecendo da palavra "gathering" no nome do jogo. O jogo é não só focado em player versus player é focado no gathering, ou pelo menos deveria ser, aqui não é Hearthstone por exemplo, Magic visa o grupo é claro que se preocupar em incluir no grupo é super importante.


Por isso eu gosto de jogar formatos for Fun, tem uma galera acha que o jogo é só o competitivo...o jogo é mais que isso, é pra se divertir e fazer amigos também, eu fico triste que você foque tanto em ganhar que mal olhe o cara que tá na sua frente.

Sadistic-Magician (05/12/2017 12:58:17)

Eu jogo magic The gathering há 3 anos, nunca vi casos de preconceito nem nada do tipo. No grupo do whatsapp onde eu faço parte, tem um cara que é gay, ele nunca sofreu nenhum tipo de preconceito.
Está acontecendo algo que me assusta: A comunidade do magic está se fragmentando há anos, é por isso que o Magic está morrendo no Brasil. Aqui mesmo no Recife, já faliram várias lojas por causa dessas fragmentações de jogadores.
Não tenho nada contra pessoas desse movimento, mas acho que grande parte dos membros se fazem de vítimas o tempo todo.
Magic é um jogo fantástico, mas pelo visto as pessoas insistem em torna-lo um jogo chato.
Ao invés de fazer inclusão LGBT, então porque não fazer projeto para inclusão para todo tipo de jogadores?

Só digo uma coisa: Magic é o maior TCG do mundo, então não transforme ele numa briga entre ideais, pois isso só divide a comunidade e causa intriga.

VIP STAFF Bracco (05/12/2017 12:18:08)

Pro restante que vive numa bolha de mundo, estamos tentando quebrar essa bolha justamente expondo as questões que vcs tentam negar.

Negar a importância dessas ações baseado na experiência de vocês, individuais, eh um egocentrismo tremendo. Principalmente porque os resultados do preconceito ficam evidentes em padrões de grupo.

Mulheres e lgbts abandonando o mtg por não se sentirem acolhidos. (Afinal, na hora de dar pitaco no recente caso da cosplayer que abandonou o mtg por ter sido exaustivamente assediada, um monte de gente quer).

Se eu posso agir no mundo pra tornar dele um lugar melhor, pq eu deixaria de fazer isso? E vocês que estão só criticando, o.que vocês fazem para outras pessoas e pra deixar o mundo um lugar melhor?

VIP STAFF Bracco (05/12/2017 12:13:18)


Gabriel, por aqui eu não vou lembrar quem era vc :'(

Mas que bom que se sentiu acolhido. Ganhou algum dos brindes? Conseguiu jogar o draft? :D


Igor, procura nossa página e grupo. Entra em contato comigo por lá. Fica mais fácil de agitar isso aí ;)

VIP OURO IGOR-GV (05/12/2017 08:22:47)

Blz, Felipe. Temos um grupo de jogo muito legal, por meio do qual, ao longo já de alguns anos, forjamos relevantes amizades. E recebemos a ideia da iniciativa em tela como algo excepcional. Destarte, estaremos sempre dispostos a colaborar no que for possível. Grande abraço!

macron (05/12/2017 05:58:53)

Incrível! Chegamos a um nível que se eu sorrir vou ofender quem não tem dentes!!!

Leonhart (05/12/2017 03:39:57)

Não mano, nada justifica, nunca, jamais presenciei tais preconceitos principalmente esse aí do deck de Vera Verão, o que seria esse Deck? Mono Black com grito de guerra? Aaaaa por favor, jogo com gays, estou num grupo de whats que tem um gay e nunca foi desrespeitado por nenhum dos 70 membros, ela joga desde o início do magic e afirma nunca ter sofrido preconceitos com o público Magic. Isso é vitimismo desnecessário, na comunidade errada e sem preceitos...

Leonhart (05/12/2017 03:32:27)

Bracco quem foi que falou de mim mano? Acorda lê o que eu escrevi direito, disse achar desnecessário um evento nomeado LGBT pois a comunidade Magic não sofre preconceitos de qualquer tipo, haja visto que os jogadores não olham para o oponente do outro lado da mesa julgando o que é ou deixa de ser, na verdade mal olhamos uns nos rostos dos outros uma vez que temos de focar no jogo e as vezes um deslize por menor que seja na atenção garante a Vitória do oponente. Em momento algum fui preconceituoso em dizer que o seu evento é inútil mas disse sim não entender de que forma separar os jogadores em um evento titulado LGBT, não venha me dizer que isso é de alguma forma bom para qualquer LGBT que seja pois torna tão preconceituoso quanto quem julga, é igual ao dia da consciência negra, para que tal dia? O preconceito ja começa daí.

E quem for Homossexual aí ja deixo o recado!!!

Meu deck espera para enfrentar cada jogador como JOGADOR não como pessoa! Será divertido, faremos amizades, trocaremos idéias e conhecimentos e JAMAIS julgos fúteis e vis! A comunidade Magic tem de ser unida como sempre foi e não separada pr eventos direcionados a certo público.

gabrielcgc (05/12/2017 02:45:02)

Esse é o tipo de comentário que acaba justificando a existência de um grupo como o Mtg LGBT.
Todas as discussões vão voltar ao mesmo ponto, "Ah, pra que separar a comunidade?". A comunidade já está separada, esse é o ponto. Aos ouvidos de um hétero (ou homem, ou branco, ou rico) um comentário jocoso como esse do colega é só mais um comentário. Pra uma pessoa que já ouve merda todo dia por ser qualquer coisa, é um saco. Principalmente no seu momento de lazer. Aí voltamos pra a mesma questão de mulheres estarem ou não confortáveis nos ambientes em que se joga magic quando tem um monte de cara sendo chato. Pode-se ignorar e continuar jogando, mas também pode-se encontrar outra fonte de lazer. É justamente isso que o grupo tenta evitar, que as pessoas parem de jogar magic por falta de um espaço bacana pra usar seu tempo de lazer.

Sobre o evento. Vocês estão de parabéns. Acabei indo de última hora por estar só de visita a sp e foi o melhor programa que pude ter no meu domingo. Me senti muito bem acolhido, adorei a companhia dos meninos que me receberam e sempre que voltar vou procurar vocês! Obrigado de verdade.

VIP STAFF Bracco (04/12/2017 22:28:20)

Oi Igor,

Já recebemos propostas de outras localidades, e a ideia é poder descentralizar de São Paulo sim.

Eu sei que uma coisa igual a que aconteceu anima muito o pessoal, porém ele foi sendo criado desde julho desse ano, ou seja, quase 6 meses!

Tenham paciência que conforme formos trabalhando, levaremos sim para outras localidades.

obg pelo apoio

abraço!!! :D

BrunoF23 (04/12/2017 21:27:47)

Ta ridículo e ponto!

Rubens420 (04/12/2017 17:55:34)

vish, lá vem os caras com os deck's da Vera Verão !
entendedores entenderão ...

FelipeSoares (04/12/2017 17:32:41)

Parabéns pela iniciativa, fico feliz que tenha sido um sucesso!


Tem que rolar em BH!

VIP OURO IGOR-GV (04/12/2017 17:29:54)

Puxa, será que conseguiríamos promover um aqui em BH? Parabéns a todos os envolvidos!

VIP STAFF Bracco (04/12/2017 15:59:16)

Pena que nenhum dos que estão criticando aqui foram ao evento, foi um sucesso.

mais de 70 pessoas!

em breve farei um texto sobre como foi, e vê se leiam a programação e a proposta das coisas direito ao invés de falarem asneiras.

tchau!!!!!!

Felessa (04/12/2017 13:34:12)

Mais um parabéns pela iniciativa! Espero também poder participar em uma próxima ocasião, e desejo muito sucesso ao projeto ;)

Phrion (04/12/2017 12:54:53)

Por isso deveria ter movimentos e incentivos para novos jogadores (players) independente de grupo ou gênero.

pedromollo (04/12/2017 12:05:48)

E em nenhum momento eu disse que você disse isto! Mas você disse sim com todas as palavras que a luta LGBT pelos espaços é a mesma coisa do que se de repente surgisse uma "Bandeira hetero".

Não é a mesma coisa. O primeiro passo em se ter empatia é reconhecer quando você (neste caso como homem hetero) está numa posição obviamente mais confortável do que o resto da comunidade (denovo, é só olhar em volta) e admirar quando surge uma iniciativa dessas. Você não perde nada (ou você acredita mesmo que a lgbt LGBT quer arrancar coisas dos heteros e ganhar privilégios?) e a comunidade ganha.

Não adianta falar um monte de falácia nos comentários e depois dizer que ninguém ta entendendo o que você diz. Nós entendemos, e o que você falou simplesmente não faz sentido. Tenha humildade, leia seu comentário denovo e veja como está errado.

davidbaron (04/12/2017 10:59:32)

Não entendeu nada do que eu falei e ainda deu 'quote' em uma só frase de tudo que eu escrevi.

Pra quem prega o respeito, o senhor deveria começar a fazer o que diz, não?

General-Hammer (04/12/2017 08:45:30)

Parabéns por organizar o evento, sou fã de eventos de MAGIC e sempre fico feliz quando novas PESSOAS vem jogar, porém, eu não concordo com levantamento de bandeiras dentro do jogo. Acho desnecessário. Sério mesmo.
Rodas de debates sobre LGBT no Magic? Já tem isso nas escolas, universidades, TV, revistas, Facebook, dentro daqueles biscoitinhos da sorte chineses e sei lá onde mais. Sério, ai você vai jogar um Magic com os amiguinhos e "no passe, uma problematização em você", isso enche um pouco o saco. Tá cheio de tentativas de problematizar a vida num joguinho que não se passa nem nesse plano. Existe movimento feminista no Magic, movimento LGBT no Magic, quando é que vamos ter o movimento só do Magic, do tipo liberal mesmo, do qual eu não dou a mínima para seu gênero/sexualidade/cor/religião/região/peso/condição e só quero destruir seus pontos de vida ou fazer um combo louco que eu planejei ontem? Porque todos não são PESSOAS, então não é só tratar todo mundo IGUAL? Essas bandeiras, na MINHA opinião, mais dividem do que somam.

Tiuribis (04/12/2017 08:25:55)

Hahahahaha que ridículo.

É por isso que o BRzão não vai pra frente.

Brazuca sempre vê o lado negativo das coisas, ao invés de ler, estudar, se informar sobre a idéia de um determinado assunto, evento, situação, opinião etc... (OFF: E claro, nunca respeitar a opinião, ideia etc dos outros)

Quanto ao evento, achei maravilhosa a idéia! E que aquele traga mais gente do mundo LGBTS (nunca se esqueçam dos "S"!) ao nosso querido e amado jogo.

davidbaron (03/12/2017 23:40:09)

Não entendeu nada do que eu comentei porque em momento algum eu disse que mulheres e homossexuais devem ser excluídos. Pode falar pela sua loja, mas não por todas.